Os Sete


27/10/2008


End Game

Esse é o post que anuncia o fim do nosso joguinho, já que desde o início foi difícil reunir pessoas dispostas a assumir personagens criados por outras pessoas(mesmo que fosse personagens bombados), não tenho mais tanto tempo para procurar entre amigos virtuais pessoas dispostas a levar o projeto adiante.

Resta então agradecer à todos que participaram do play by blog, e espero que a experiência tenha somado alguma coisa.

Esse jogo foi um bom laboratório para testar o formato de um blog de RPG, mostrou-se eficiente para o fluir do jogo, mas na organização da informação para prováveis leitores e futuros jogadores acabou se tornando um projeto complexo.

Um grande abraço a todos, Firestorm(Fernando), Marcelo(s), Thays, Rinoa, Davi, Benray e caso tenha esquecido de alguém, avisem que incluo no post.

Um Grande abraço a todos.

Escrito por Giovani às 12h08
[ ]
[ envie esta mensagem ] [ ]

10/12/2007


29 - Rodada de combate

Situação atual da batalha segundo ações nos comments:
http://img.photobucket.com/albums/v253/joe-kun/batalha.jpg

A última rodada de combate foi em 10/11/2005
Faz tempo...

Temos aqui a segunda(por isso a cor amarela), e vou relembrar a quinta regra, porque ja faz dois anos né...

5º Durante os combates vão acontecer dois turnos por comment. Turnos de combate vou postar em amarelo.
Funciona assim:
1 - você descreve a primeira ação do personagem.
2 - você descreve a segunda ação do personagem caso tenha sucesso no primeiro ataque.
3 - você descreve a segunda ação do personagem caso o primeiro ataque tenha falhado.
4 - O mestre colocará um comment com os resultados dessa primeira rodada, pra que a proxima seja realizada.
E então é só repetir o procedimento com a Terceira e quarta ações da semana. Para organizar melhor, no inicio de cada comment de combate coloque em letras maiúsculas o nome do personagem e se aquela é a primeira/segunda ou a terceira/quarta ação.

Vou desconsiderar qualquer preparação dos outros jogadores. Quem não se preparou neste último turno vai direto pra mão, com a arma mais acessivel que tiver. Os homens de Malad parecem aguardar qualquer movimento. eles tem medo dos sete. Este grafico pressupõe as posições (antes de alish tentar desaparecer e do canto de Will). Batarelli julga possivel vencer o pequeno contingente, bem... ao menos acabar com os que estão dentro do salão e então fechar as portas para pensar em algo. São cerca de cinquenta homens, os mais afastados trazem arcos. Assim como no outro combate, que foi massivo, Todos que forem encarar a turba no corpo a corpo estarão lutando contra três inimigos. Também da mesma forma, colunas permitem proteger apenas um dos membros do grupo, os que tentarem uma postura mais defensiva dessa forma, ainda assim terão que enfrentar um ou dois adversários até posicionar-se nas colunas. Alish desaparece repentinamente.Gráfico do combatealign=textTop border=1>

Escrito por Narrador às 21h09
[ ]
[ envie esta mensagem ] [ ]

27/09/2007


28 - Confronto

Fez-se um silêncio solene no salão, como se todos estivessem aturdidos diante da majestade daquela mulher. Seu sorriso era um desafio, apesar de parecer doce e convidativo, e suas palavras pareciam repletas da mais pura razão e objetividade. Ela se levanta do trono e caminha pelos degraus, o que faz os sete perceberem a movimentação de toda a guarda pelo salão, cerca de trinta pessoas muito bem armadas e aparentemente preparadas para qualquer eventualidade. A capitã da guarda real se aproximou da Vice-rei:

-Minha senhora, é arriscado, sua movimentação pode ser percebida.
A vice-rei apenas acena levemente com a cabeça, e quando volta a observar os sete, vê o pesado guerreiro dar um passo à frente:
- Precisamos de mais detalhes sobre a carta que recebemos. Qual seria o tamanho deste exército, onde estão neste momento, para onde estão rumando. E também a curiosidade sobre os orcs não é apenas de meu amigo Willow.

Sim, senhor mestre-de-armas... compreendo sua preocupação. Digo-lhe que algumas informações em sua carta não foram confirmadas... Não creio haver um exército de elfos-negros, até mesmo eu só vi alguns deles em minha vida, e duvido até mesmo que do belo povo tenha restado número suficiente para reunir um exército capaz de carregar "a sabedoria consigo".

Repentinamente a sombria alish aproveita uma pausa nas palavras da mulher diante de si, e fala, com olhos fixos nela.

- O que será feito do artefato mencionado na carta quando ele for trazido à sua presença?

Impertinente jovem das trevas... O que a traz aqui, filha das sombras? Tem medo do que eu faria com tal força? Acredita que esse poder seja algo sedutor e que concede riqueza, glória ou domínios? Você acha mesmo que eu já não possuo dose suficiente destas coisas? impertinente menina... Mas digo-lhe... se soubesse realmente sobre o que estou falando, não faria perguntas vãs, e se manteria na escuridão, onde costuma se refugiar de tudo que usualmente tem relação com o objeto que julgou ser de meu desejo.

Ela suspira profundamente, tentando recobrar a calma: Enfim, mestre Batarelli, creio que para arrasar uma de nossas cidades sem deixar vestígio algum, devem ter mais de vinte mil homens(ou criaturas) marchando. Vocês vieram do sul, correto? Neh-kahj fica próxima das montanhas ao noroeste, e a cidade que caiu fica a leste daqui. Quanto aos orcs... É uma informação preciosa a que me trazem... Não sei se sou capaz de avaliar com sabedoria esse sinal.

- Majestade, já que mencionou o fato de Alish não saber a respeito do que estaríamos buscando, poderia então nos dizer o que sabe a respeito da "Sabedoria"? Conhecer aquilo contra o qual lutamos pode ser nosso principal trunfo nesta batalha. A voz clara do guerreiro-menino Troy ecoou pelo salão, e os olhos da poderosa mulher claramente vacilavam diante dele. Era a primeira vez que isso acontecia, e até mesmo a capitã da guarda demonstrou estar impressionada com aquilo.

-Sim, sim... É uma antiga lenda que remonta o início do conclave. mas infelizmente não aou a pessoa certa para lhes dizer algo a respeito. Existe um homem que mora em meio à neve das montanhas ao norte que poderia lhes dizer algo. Sua rainha apenas pode lhes indicar esse caminho...

A mulher então nitidamente se perde em pensamentos, e seus olhos ficam inexpressivos, para assumir gradualmente um aspecto grave... O austero willow, que até agora ouvira calado as perguntas dos outros com os braços cruzados sobre as costas, Volta os olhos para realeza, lhe encarando por alguns momentos para então falar pausadamente em um longo suspiro...

- O bem e o mal se embatem a séculos... Nossas vidas terminarão mesmo antes de termos visto mais do que alguns dos reflexos destas batalhas imortais das quais somos apenas peões...Porque simplesmente eu não deveria virar de costas, ir embora e esperar, como fazem o vento ou o mar em sua sabedoria ?

A mulher observa willow profundamente durante alguns segundos, ainda perdida em algum devaneio...
-Você não está sendo previdente como já foi um dia no passado, mestre...

Logo que a mulher começou a frase, o silêncio que antes permeava o salão e era apenas rompido pelo som das palavras, começou a ser desfeito por outros sons menos solenes ou belos como a voz de Stiwall. Gritos e espadas se chocavam ao longe, e esses sons de batalha gradualmente aumentavam, se aproximando, se aproximando...

Mais alguns segundos e a pesada porta se escancarava, dezenas de homens entraram no salão, acuando a guarda junto aos sete amigos, que naturalmente formaram um círculo no centro, protegendo sua rainha. Com vestes sagradas e acompanhado de seu capitão, Malad, o sumo-sacerdote, dirigiu-se à vice-rei, sua guarda e os sete que se encontravam ali:

-Chegou o momento, minha cara, de revermos alguns pontos de nosso relacionamento. Há uma guerra se aproximando, e sua liderança já não é mais necessária na cidade que abandonou na juventude para reinar de tão distante. EU defenderei essa cidade com MEU exército, seus soldados já são MEUS soldados... E você... Você vai deixar seu cetro aqui. Já causou muito tumulto e sofrimento em vão. Deveria estar na capital, mas vem aqui para negociar com mercenários!! Tola! Apenas retarda o inevitável com seus estratagemas imaginários!!!

EU DIGO: -QUE VENHA A GUERRA!

Criara-se uma tensão macabra, e tudo estava visivelmente caminhando para um final trágico e lamentável. Malad por fim gritou:

Rendam-se, deponham suas armas agora, ou morram em nome do conclave!

Escrito por Narrador às 14h03
[ ]
[ envie esta mensagem ] [ ]

Histórico

    Lathanaur
    Illustration from King Arthur's moving picture

    Troy Holyfire
    Illustration from Heise's deviantart gallery

    Stiwall Ling
    Illustration from Kiena's deviantart gallery

    Hyelai
    Illustration from Phaere's deviantart gallery

    Alish
    Illustration from Enaylas's deviantart gallery

    Batarelli
    Illustration from Justin Sweet website

    Willow
    Illustration from Baldur’s Gate II: Shadows of Amn




    Tabela Itens e Serviços parte 01

    Tabela Itens e Serviços parte 02

    Tabela Itens e Serviços parte 03

    Tabela Itens e Serviços parte 04


    RPG Sete Amigos